Custos com Manutenção

   O que estou fazendo com estes posts sobre manutenção é escrever o conteúdo do meu trabalho de graduação da Universidade. Tento atualizar alguns tópicos pois o trabalho é de 1998 mas nem sempre vai ser possível.
  Neste post mostrarei algumas considerações de alguns autores sobre os custos diretos e indiretos relacionados à manutenção de software. Apesar desses números variarem de um autor para outro, é algo bastante claro que os custos com a manutenção de software são altos e precisam ser controlados.
   É muito difícil quantificarmos os custos com manutenção de software, mas há um consenso de que ela consome grande parte dos custos do ciclo de vida de um software. Uma pesquisa feita por Lientz e Swanson no fim dos anos 70, comprometeu-se quantificar os custos. Apesar de ser antiga, seus resultados são muito interessantes.
   Eles pesquisaram 487 empresas e a distribuição média do uso dos 4 tipos de manutenção foram:

  • Perfectiva 50%
  • Adaptativa 25%
  • Corretiva 21%
  • Preventiva 4%
   Pelo que se nota, as organizações da época aplicavam com uma maior frequência a manutenção perfectiva, ou seja, acrescentavam novos requisitos do usuário. Por outro lado, a manutenção preventiva era a menos utilizada, ou seja, as empresas não se preocupavam muito com a manutenibilidade do software. A manutenção preventiva não atingiu um uso significativo na época.
   É claro que por a pesquisa ser muito antiga não pode ser utilizada com uma verdade absoluta de nossa época. Mas por quantas empresas que você trabalhou a manutenção é levada a sério? Por quantas empresas que você trabalhou é feito algum trabalho de manutenção preventiva. Na minha realidade a pesquisa se aplica. Os números se aproximam do que vi e vejo na prática,
   Lientz e Swanson também descobriram que muitas organizações gastaram de 20% a 70% de seu esforço com manutenção.
   Pressman cita :"Durante a década de 1970, a manutenção era responsável por um índice entre 35% e 40% do orçamento do software para uma organização de sistemas de informação. Esse valor pulou para aproximadamente 60% durante a década de 1980. Se nada for feito para melhorar nossa abordagem à manutenção, muitas empresas gastarão aproximadamente 80% de seus orçamentos de software em manutenção em meados da década de 1990".
   Além dos custos diretos existem outros que são mais difíceis de quantificar, como:
  • Tarefas de desenvolvimento que são adiadas ou canceladas porque grande parte dos recursos humanos e financeiros são utilizados em tarefas de manutenção.
  • Insatisfação do cliente com atrasos referentes a solicitações de reparos ou modificações
  • Redução da qualidade do software devido a erros introduzidos por mudanças (efeitos colaterais)
   No próximo post falarei sobre alguns problemas relacionados à manutenção.

Postagens mais visitadas